Dow Jones 0,061% 22.660 pts
S&P 500 -0,261% 2.545 pts
Nasdaq -0,016% 7.826 pts
Ibovespa -0,284% 85.135 pts
Dólar R$ 3,315
Euro R$ 4,040
Veja Mais

Talvez seu próximo carro não precise de motorista e isso pode mudar o mundo

Talvez seu próximo carro não precise de motorista e isso pode mudar o mundo
(Shuttersotck)

Tema de ficção científica para muitos, os carros autônomos podem estar muito mais próximos de nós do que pensamos

SÃO PAULO – Lembro, quando criança, de assistir os Jetsons e imaginar se algum dia a humanidade chegaria em um patamar igual ao da família futurista. Os anos se passaram e é inegável que ainda estamos muito longe daquilo que assistíamos na televisão. No entanto, quando penso no futuro da indústria automotiva, acredito que estamos bastante próximos de atingir um enorme ponto de inflexão e que talvez seja a próxima grande revolução na forma como vivemos, consumimos e nos deslocamos: os carros que dirigem sozinhos, também chamados de carros autônomos, estão muito mais perto da nossa realidade do que pensamos.

Saindo do Vale
Há alguns anos várias empresas do Vale do Silício já vêm aprofundando seus estudos sobre o assunto. Nada mais natural do que isso, afinal de contas, estas companhias são, hoje, a elite do pensamento de vanguarda nos negócios mundiais – assim, não é surpresa que elas apostem em várias direções, algumas que trarão resultados e novidades concretas e outras que se provarão becos sem saída.

O Google, por exemplo, trabalha com esse projeto desde 2009 e conta, atualmente, com vários carros experimentais rodando pela Califórnia para aprimorar, cada vez mais, os sensores e as reações dos veículos autônomos de forma a trazer mais segurança para os usuários. A Apple também vem apostando com menos alarde no assunto, enquanto montadoras mais arrojadas, como a Tesla, também estão de olho nisso há algum tempo.

No entanto, o que realmente mostra como estamos cada vez mais próximos de viver em um mundo dominado pelos carros autônomos é a forma como montadoras tradicionais estão investindo cada vez mais pesado nesse assunto. A CEO (Chief Executive Officer) da General Motors Mary Barra já declarou: seu carro deverá virar um escritório em cinco anos ou até menos.

A Volvo, por sua vez, se uniu à Uber em uma desastrada parceria para disponibilizar veículos autônomos em São Francisco (EUA) – mesmo que não tenha vingado, isso mostra como a empresa sueca também está focada no tema. Apenas nesta semana tivemos duas importantes notícias envolvendo a indústria: a Intel está se unindo com a empresa de mapas Here para produzir chips que ajudem na tecnologia de direção autônoma. A Here é uma empresa controlada por grandes montadoras alemãs, incluindo a Daimler e a BMW. Enquanto isso, a também produtora de chips NVIDIA, por sua vez, anunciou uma parceria com a Audi para desenvolver um veículo completamente autônomo e as ações de ambas as empresas subiram com força ainda no pré-mercado.

Uma realidade e uma tendência de investimento
Se os planos da Uber foram um fracasso na Califórnia, o mesmo não se pode dizer de seu projeto na cidade de Pittsburgh, que já funciona há alguns meses de forma pioneira sem grandes problemas. Isso significa que, na prática, eu, você, ou qualquer outra pessoa já pode andar em um carro conduzido sem motorista: basta pedir um carro da Uber em Pittsburgh e torcer para ser atendido por um modelo autônomo.

Na prática, ainda existem inúmeras variáveis que precisam ser testadas e provadas para que esse tipo de tendência seja uma realidade majoritária. Os obstáculos são imensos: como será a regulação desses automóveis? Como será a aceitação do público em relação a esse tipo de modelo? E como eles se comportarão em bairros mais movimentados ou em situações de risco? Testar um carro autônomo na pacata Pittsburgh é imensamente mais simples e menos arriscado do que fazer o mesmo no caótico transito da Índia, por exemplo.

Contudo, mesmo com as grandes barreiras, as montadoras e o Vale do Silício parecem estar bastante afinados no discurso e em seus investimentos: o carro autônomo será uma realidade em breve. E isso não apenas mudará a tendência como nos deslocamos, como também a forma como consumimos.

A General Motors, por exemplo, já anunciou que seu primeiro veículo autônomo será o recém-lançado elétrico Bolt. O Bolt, aliás é o primeiro carro elétrico nos EUA com boa autonomia e preço mais acessível disponível para o público. A japonesa Toyota, por sua vez, conta com o híbrido Prius, que é um sucesso de vendas ao redor do mundo e já apontou que no início da próxima década seu sedã Corolla também contará com sistema híbrido. A Ford anunciou que está apostando mais de US$ 4 bilhões no desenvolvimento de nada menos do que 13 modelos elétricos.

Se a tendência dos elétricos também se fortalecer, isso significa que o consumo de petróleo global e as emissões de poluição nos grandes centros urbanos devem se reduzir com força.

Tudo isso, resulta em, potencialmente, uma enorme virada na tendência de investimentos mundiais que deve mudar várias cadeias de produção e relações internacionais: as distribuidoras de combustível e extratoras de petróleo invariavelmente sofreriam, enquanto o “Rust Belt” dos EUA finalmente poderá encontrar a inovação que procura há tantas décadas, com as montadoras ressurgindo ainda mais fortes. Não sou analista, apenas um entusiasta do setor de carros, mas, para mim, parece tolice no mínimo não acompanhar de perto os próximos passos das grandes empresas da área. Ainda não somos os Jetsons, mas podemos estar muito mais perto deles do que pensamos.

Dê a sua opinião!

12 0
Foto de perfil de Leonardo Uller
Escrito por
Jornalista econômico vencedor do prêmio Especialistas da revista Negócios da Comunicação no setor Financeiro em 2015. É o editor responsável pelo FinNews. E-mail: leonardo.uller@finnews.com.br

Deixe uma Resposta

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados *

Você também pode utilizar estas HTML tags e atributos <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Senha perdida

Please enter your username or email address. You will receive a link to create a new password via email.